Orla Conde, a revolução em meio ao caos!

Não sou nada fã do nosso prefeito, mas não tenho como não dar a mão à palmatória, pois ele fez coisas incríveis pela cidade! Inspirando-se nas Olimpíadas de Barcelona 1992, que foram um sucesso e um divisor de águas naquela cidade, no quesito turismo, Eduardo Paes revolucionou a paisagem, a mobilidade e o lazer no Rio de Janeiro. Ele foi um visionário que sempre acreditou no enorme potencial turístico do Rio de Janeiro, principalmente da Zona Portuária, e especificamente na nova Orla Conde, obras que também ajudaram a elevar a auto-estima aos cariocas, que estava no chão!

Implosão do viaduto da Perimetral para dar lugar à Orla Conde
A implosão do elevado da Perimetral: o começo de um novo começo

O Centro renasce literalmente das cinzas!

A cidade, agora, tem uma bela opção de lazer em pleno Centro da cidade, que estava bem degradado e esquecido! Então, quando vemos as fotos do antes e do depois da derubada da Perimetral, e todas as mudanças que vieram junto, realmente não dá para acreditar que ficamos taaaaaanto tempo com esse horrendo elevado encobrindo paisagens, praças e belos edifícos históricos!

Vista aérea da Orla Conde revitalizada
A orla foi finalmente devolvida à população
Vista aérea da Praça Mauá com o Museu do Amanhã
A Praça é do povo!

As revitalizações ao longo da Orla Conde

Assim, com a Orla Conde, um novo e agradável caminho se abriu à beira-mar, que agora reune várias praças e proporciona maior contato dos moradores e visitantes da cidade com a História do Centro e da Região Portuária do Rio! Ademais, 27 importantes centros culturais, do Aterro do Flamengo à Avenida Rodrigues Alves, estão conectados! São 287 mil m² e 3,5 quilômetros de área de convivência ligando o Armazém 8 ao Museu Histórico Nacional!

Nova passarela à beira-mar na Orla Conde
O bonito deque de madeira do novo percurso de 3,5km
Novo acesso à beira-mar na Orla Conde
A passagem agora é livre, do Armazém 8 até o Aterro do Flamengo!

O entorno da Igreja da Candelária

Nesse percurso, várias revitalizações foram feitas, tais como a da Igreja da Candelária, endereço da “Pira Olímpica”, que se transformou num grande e aprazível espaço com boa iluminação, paisagismo e bancos de frente pra a beira-mar. No entanto, agora a bela vista, não tem mais nenhuma interferência! Assim, a poucos passos de lá temos food-trucks e food-bikes e em breve haverá quiosques padronizados. Então, veja as fotos abaixo que mostram o antes, o durante e o após a derrubada do medonho Elevado da Perimetral!

Vista aérea do Viaduto d Perimetral antes da implosão
Pedacinho da Candelária à esquerda; à direita a Perimetral serpenteia toda a beira-mar
Igreja da Candelária com o antigo Viaduto da Perimetral
A igreja da Candelária cortada pelo horrendo elevado!
Praça Mauá em obras para a renovação da Orla Conde
As obras de revitalização após a derrubada do elevado
Igreja da Candelária sem o Viaduto da Perimetral
A agradável beira-mar foi devolvida à paisagem urbana! Nada mais interfere na visão da bela Candelária!

A Praça XV

Outro belo ponto turístico e histórico, cartão de visita da cidade durante três séculos, a Praça XV também precisava de uma repaginada para acompanhar a “nova” vizinhança, e para voltar a ter o glamour dos bons tempos! Então, as marcantes mudanças na sua paisagem devolveram a visibilidade de belos prédios históricos antes esquecidos, tais como o Paço Imperial (1743), o Chafariz da Pirâmide de Mestre Valentim (1789), o antigo Convento do Carmo, o Arco dos Teles, entre outros.

1
A Praça XV e vários prédios históricos cortados pela Perimetral

Esta praça, com seus 215 mil m² de áreas verdes de puro lazer, é agora um grande passeio público, que permite uma agradável caminhada à beira-mar até o Armazém 8. Dessa maneira, aos poucos as pessoas começaram a reocupar esses espaços, que transbordaram de incríveis atrações durante as Olimpíadas! Como resultado, pedestres e ciclistas já têm desfrutado bastante da Orla Conde, essa muito bem-vinda novidade!

Praça XV_2
A bela Praça XV encoberta pelo feio elevado
4
Metade do elevado já emplodido
2
A retirada do entulho
praca_xv
Praça livre do minhocão! Orla Conde quase pronta!

A Praça Mauá

Outra gigantesca transformação ocorreu na Praça Mauá, que não só representa o centro da cidade, mas também o centro do país! Assim, as fotos abaixo mostram a enorme extensão do elevado da Perimetral, que seguia do Aeroporto Santos Dumont até o final da Zona Portuária, no Armazém 8, enfeiando o entorno! Para completar a mudança do local, o MAR e o Museu do Amanhã, desde a inauguração, têm oferecido várias atrações aos cariocas e visitantes!

Futura Orla Conde, ainda com a Perimetral e sem o Museu do Amanhã
Perimetral antes da sua implosão e o píer sem o Museu do Amanhã
mauá 2
Praça Mauá escondida pelo elevado da Perimetral
x1
Outro ângulo do elevado encobrindo a Praça Mauá; os 2 prédios em primeiro plano virariam o MAR!
x2
Além da beira-mar, vários prédios antigos e históricos ficaram escondidos, por anos
mauá 3
Praça já sem a Perimetral, obras a todo vapor!
Vista aérea da Praça Mauá com o Museu do Amanhã, na Orla Conde
Praça Mauá com o Museu do Amanhã

A grande obsessão

Não vou discutir aqui o polêmico mérito político-econômico desses 7 estressantes anos de obras. O intuito, é sim destacar o significado do tão falado “legado” pós Olimpíadas, o maior evento esportivo do mundo! Porque acho que muito pouco do que temos visto de bom e de novo na nossa cidade não teria saído do papel, se não fossem as Olimpíadas e a obssessão de Eduardo Paes! Pois tudo começou com a ideia “estapafúrdia” da derrubada da Perimetral e a modernização da Praça Mauá, que nada tinham a ver com as instalações olímpicas propriamente ditas. Mas, na verdade, tinham TUDO a ver com o “espírito” das Olimpíadas!

A Orla Conde e o reinício da cidade

Então, a escolha por reurbanizar a Praça Mauá e o seu entorno, local histórico onde o Rio de Janeiro e o Brasil tiveram o seu início, não se deu ao acaso. Pelo contrário, lá seria, pela segunda vez, o berço do renascimento de uma cidade mais humana, acolhedora e moderna. Das cinzas de um enorme lugar degradado e abandonado por seus habitantes, assim como era a zona portuária de Barcelona antes de 1992, ressurgiu aqui no Rio um belo e agradável espaço de convivência!

20160806_160839[1]
Museu do Amanhã, na Praça Mauá, tomada pelos visitantes, como deve ser!

Orla Conde: a beira-mar é devolvida ao público!

Assim, a beira-mar com a Orla Conde e todo o entorno da Praça Mauá, com seus de 5 milhões de metros quadrados, foram devolvidos aos cariocas, que se esbaldaram durante as Olimpíadas! Então, esse novo queridinho do povo agora está todo revitalizado e com bons acessos e várias opções de lazer. De fato, o local bateu a Praia de Copacabana no quesito cartão-postal mais disputado da cidade! 

Orla Conde cheia de gente na época das Olimpíadas do Rio 2016
O povo encheu as praças durante as Olimpíadas

O Mosteiro de São Bento

A criação da Orla Conde só foi possível graças a um acordo feito com a Marinha, que liberou ao público um trecho no contorno do Morro de São Bento. Esta área militar, de frente para a Baía de Guanabara, estava fechada há muito tempo. Com isso, o imponente Mosteiro de São Bento, uma das mais antigas construções do Rio, voltou a se destacar no cenário! Por quase meio século ele só podia ser visto de relance por quem passava pelo elevado, e, mesmo assim, por trás do gradil que cercava a via no trecho do I Distrito Naval. Esse cerco foi uma exigência da Marinha à época, com o intuito de proteger suas instalações militares.

rsz_1z8_fernando_rodrigues
Mosteiro de São Bento
gradil
I Distrito Naval, agora com a sua fachada visível ao público

Curiosamente, antes de se tornar uma área militar, eram os monges do Mosteiro de São Bento, fundado em 1590, que controlavam o trecho de orla que agora foi reaberto ao público. Jeanne Cordeiro, a arqueóloga que fez escavações no entorno da construção histórica, lembra que depois de se instalarem no alto do Morro de São Bento, os beneditinos criaram uma verdadeira cidadela em seu entorno, com tudo o que precisavam!

bento 3
Desembarque da Princesa Leopoldina no Rio de Janeiro com o Mosteiro de São Bento no alto (Debret)

Então, no sopé voltado para o mar, conta a arqueóloga, os beneditinos permitiam que fossem erguidas pequenas construções, como bancas de peixe e trapiches, próximo à Prainha, que se transformaria na Praça Mauá. Ali existia uma pequena faixa de terra, com um aterro natural da Baía de Guanabara. Depois, essa área foi ocupada com a instalação do Arsenal da Marinha e passou a receber sucessivos aterros à beira-mar.

A segunda abertura dos portos “às nações amigas”!

Este trecho da Orla Conde estava fechado ao público desde 1808, data da chegada de D. João V ao Brasil! Desde então, a área tinha sido vetada ao cidadão comum, com mais de 200 anos restrita somente à Marinha! Assim, das imediações da Candelária até a Praça Mauá, às margens da Baía de Guanabara e contornando o Morro de São Bento, este belo trecho de orla ganhou boa iluminação, calçadão, bancos e jardins, encurtando distâncias e revelando uma paisagem espetacular, que ficou escondida de nós por muitos anos!

Vista da beira-mar devolvida à população na Orla Conde
Assim como o Maraca, a orla também é nossa!

Sem dúvida alguma, este é um local riquíssimo, que conta a História da formação da cultura brasileira, passeando por 4 séculos ao mostrar as várias épocas da cidade, tais como: o Mosteiro de São Bento, do século VXII, o Arsenal de Marinha, do século VXIII, o seu anexo, do século XIX, o antigo Ministério da Marinha, do início do século 20 e o Museu do Amanhã, do século XXI!

A bela vista e o belo paisagismo da nova Orla Conde
Agora o povo pode passar em frente ao I Distrito Naval!

Orla Conde, Porto Maravilha e mais!

Quatro armazéns do Porto Maravilha, na Avenida Rodrigues Alves, ou Boulevard Olímpico, como passou a ser chamada, também foram abertos ao público. De fato, em pouco tempo já se firmaram como um pólo de diversos eventos, e também para a prática de esportes. Em outubro os Armazéns 2, 3 e 4 serão o palco da 4ª edição do bem sucedido Mondial de la Bière.

12963702_1086213744773139_6927112164424490962_n
Ingressos à venda!

Os Armazéns do Porto Maravilha, na Orla Conde

No entanto, isso só foi possível porque a Prefeitura do Rio de Janeiro e a Secretaria dos Portos decidiram mudar a finalidade desses galpões. Então, eles perderam a classificação de “área de alfândega” e ganharam o status de “centro de ocupação cultural”. Dessa maneira, agora eles podem oferecer serviços e boas opções de entretenimento à região. Veja como era o Boulevard Olímpico antes das obras:

obra5
Área do Boulevard Olímpico, próximo ao Mural Etnias, ainda com a Perimetral!
era1
Área dos armazéns já sem a Perimetral
mural 3
Boulevard Olímpico: retirada do entulho após a derrubada da Perimetral

Novo design

A remodelação de toda essa enorme área da Orla Conde incluiu novos bancos de concreto, lixeiras, caixas semafóricas, bancas de jornal, relógios e abrigos de ônibus. Essas peças foram desenhados pelo famosos arquiteto Índio da Costa. Porque a proposta é a de integrar o patrimônio histórico a uma moderna concepção de mobiliário urbano. Assim, a iluminação pública também recebeu atenção especial, que agora conta com lâmpadas de LED. Essas lâmpadas são mais duráveis e econômicas. Como resultado, haverá uma redução no consumo de energia e sos custos de manutenção.

b4
Onde a Perimetral fazia sombra, hoje há sol, jardins, bancos e muita diversão!
b1
Vista do Boulvard Olímpico ainda sem o Mural Etnias
b5
O Boulevard Olímpico, que agora conta com o VLT

Orla Conde com o Boulevard Olímpico e o Mural Etnias

E agora o Boulevard Olímpico já com o belíssimo Mural Etnias, pintado pelo grafiteiro Eduardo Kobra, que trabalhou 12 horas por dia, durante 40 dias! Mas, valeu a pena, pois o seu impactante trabalho entrou para o Guinness, o “Livro dos Recordes”. Então, hoje esse é o maior painel do mundo, com 250 metros de pura explosão de cores e encantamento! Abaixo, como era…

Mural antes do grafite, Orla Conde
A enorme tela em branco, uma festa somente para os cobras (foto do Facebook do artista)
13730822_1238164416195387_4498775092309537169_o
Kobra é cobra (foto do Facebook do artista)

… e como ficou! Quem diria, o antigo “pichador”, que não gostava de estudar, é agora um famosos e talentoso grafiteiro! Kobra tem várias maravilhadas espalhadas pelas imensas paredes do mundo!

b7
Boulevard Olímpico com o Mural Etnias pronto e o VLT funcionando
b8
Kriador e kriatura! Foto do facebbok do artista
Mural com o grafite, Boulevard Olímpico, Orla Conde
O Boulevard é ainda mais impactante e colorido pessoalmente

A Orla Conde, onde tudo acontece!

Esse novo roteiro é bem interessante para quem quer conhecer a cidade por um ângulo novo e com muita História para contar. Além disso, a abertura da Orla Conde também tem um significado mais profundo, ao devolver o Centro do Rio aos seus moradores, pois o objetivo é fazer com que eles redescubram as origens da cidade. Enfim, é um espaço único que precisa ser compartilhado pela população. Porque é uma ponte que conecta o futuro ao passado, raiz e motivo de ser de qualquer cidade.

Telão na Praça Mauá, no Boulevard Olímpico
Praça Mauá lotada nas Olimpíadas
Passeio de bicicleta pela Orla Conde
Ciclistas retomam o seu espaço

Novos usos e atrações

O novo espaço de convivência na região do Porto Maravilha passou a conectar: os centros culturais das avenidas Rodrigues Alves e Rio Branco e do Largo da Misericórdia, como o Theatro Municipal do Rio de Janeiro; Museu Histórico Nacional; Centro Cultural do Banco do Brasil (CCBB); Museu do Amanhã; Museu de Arte do Rio (MAR); Museu Nava;, Museu da Justiça; e o Cais do Valongo. A Secretaria Municipal de Cultura e a Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto do Rio de Janeiro lançaram o #VemPraOrlaConde, com vasta programação cultural gratuita, para todos os públicos, ao longo da área revitalizada.

d8a432693dc241177b3a7d177b5ae306
É programa pro ano todo!

A paisagem do Rio devolvida aos cariocas!

Enfim, não sei como foi possível para uma cidade que tem o mar no seu DNA, ficar tanto tempo de costas para esse mesmo mar, que ela venera! Aliás, também não entendo como os cariocas permitiram a construção da horrenda Perimetral! Porque esse monstrengo fez a cidade perder as suas características solares! A paisagem árida e cinza do concreto prevaleceram por muito tempo!

rsz_20160825_173308
Com belos finais de tarde

Mas, felizmente, a abertura desse novo calçadão litorâneo da Orla Conde fez com que a cidade voltasse a olhar para a Baía de Guanabara de frente! Dessa forma, resgatou a natureza do Rio, que continua sendo a Cidade Maravilhosa que sempre foi! E que agora conta com uma novíssima “praia”!

rsz_20160825_172928
Um novo point
Museu do Amanhã na Orla Conde
E novas atrações

About The Author

Deixe um Comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Translate »
Close